Brasil e Argentina será uma batalha em Rosário

1 de setembro de 2009

Maradona não é bobo. Precisa como nunca de uma vitória contra o Brasil no sábado para ficar em situação mais confortável nas eliminatórias sulamericanas. A Argentina é apenas a quarta colocada, se cair mais uma posição terá que disputar uma repescagem para garantir sua vaga na Copa 2010. Da sexta posição pra baixo, só assiste de casa. Por isso, Dieguito tem usado todos os trunfos que pode para garantir que essa vitória aconteça.

O jogo Brasil x Argentina já está sendo apelidada por muitos de a “batalha do Rosário“. Geralmente o confronto entre as duas seleções se dá em Buenos Aires, devido à relevância que esse embate sempre teve. Mas Maradona acha que os brasileiros ficariam muito confortáveis no grande estádio Monumental de Nuñez, assim transferiu a partida para a cidade de Rosário.

O estádio da cidade se chama Gigante de Arroyito, mas de gigante não tem nada. É um campo pequeno, que facilitará a marcação argentina e onde a torcida ficará fungando no cangote dos brasileiros. A distância das arquibancadas para o gramado é de apenas 5 metros! Maradona ainda pediu para que a grama fosse aparada. Ele quer um gramado mais baixo e ainda pediu para que ele seja molhado antes do jogo.

Chamar isso de gigante é brincadeira, o estádio é um alçapão

Chamar isso de gigante é brincadeira, o estádio é um alçapão


O volante Lucas, que voltou a ser convocado por Dunga, se mostrou apreensivo, mas confiante: “Conversei com o Mascherano para saber como era o gramado de Rosário. Sei que é um campo apertado, mas temos experiência para lidar com isso. Com certeza a torcida vai fazer a parte dela, mas vamos entrar em campo focados”.

O Brasil já jogou três vezes contra a Argentina nesse estádio e nunca venceu. Empatou duas e perdeu uma. Mas o artilheiro do Brasil e da competição, Luís Fabiano, espera manter o retrospecto contra a Argentina. O Fabuloso já enfrentou los hermanos três vezes, vencendo uma e empatando duas: “Espero um jogo bem pegado, e precisamos aproveitar os espaços que eles oferecerem. É um clássico que envolve muita rivalidade. E se fala muito também. Mas tudo se resolve em campo. A Argentina vai vir para cima do Brasil pela necessidade que ela tem de vencer. É um campo pequeno e a seleção está preparada para tudo. É uma partida que todo jogador gosta de jogar”, comentou o atacante brasileiro.

Luís Fabiano é esperança de gol

Luís Fabiano é esperança de gol


Outra estatística, mas essa preocupante, é quanto ao aproveitamento da Argentina como mandante nas eliminatórias. A seleção do técnico Maradona venceu cinco e empatou duas em casa, um aproveitamento de 81%. Dos 21 pontos disputados em casa, os argentinos conquistaram 17. Já dos 21 disputados fora de casa, conquistaram apenas 5. Felipe Melo, que já foi elogiado por Maradona e ainda não conheceu a derrota com a camisa da Seleção Brasileira, comentou sobre o jogo: “A gente tem de se preocupar com a Argentina como um todo. É um jogo difícil, a torcida vai fazer a parte dela, mas não entra em campo. E a gente vai saber levar isso aí e fazer uma grande partida”.

Maradona completará 49 anos do dia 30 de outubro e o melhor presente seria uma vitória contra o Brasil. O ex-jogador, que sempre teve a paixão incondicional do povo argentino até nos piores momentos de sua vida, conheceu as vaias depois que assumiu o cargo de treinador. Seu auxiliar técnico, o também ex-jogador Mancuso, tentou atenuar: “O Maradona não está preocupado com as críticas. Não existe ninguém que gosta mais da Argentina, do hino da Argentina e da cultura da Argentina do que ele. O Diego chora pela seleção, e está consciente de que os resultados negativos podem trazer cobranças, mas sabe que nada vai tirar da memória do povo o que ele fez. Está marcado, assim como Pelé no Brasil”. MAncuso ainda acrescentou: “Acho que essa chance de dirigir a seleção veio em um momento muito justo para o Maradona. Ele está bastante consciente do que está fazendo e seu trabalho é de primeiro nível. Diego é um fanático pelo que faz. Assiste fitas sem parar dos jogadores argentinos, sabe onde todos estão. E se preocupa em saber se passam bem”.

Maradona precisa vencer o Brasil

Maradona precisa vencer o Brasil


No duelo entre as seleções principais de Argentina x Brasil, nossa Seleção não perde para os argentinos há quatro anos. A última derrota foi justamente pelas eliminatórias da Copa do Mundo da Alemanha, em 2005. De lá pra cá foram três vitórias (sempre por três gols de diferença) e um empate em 0 a 0 no ano passado, em Belo Horizonte, também em partida válida pelas eliminatórias.

Com todo esse clima que antecede Argentina e Brasil, a pressão em cima de Maradona cairá como um martelo na sua cabeça em caso de derrota. Mas caso vença, ele ganha uma bela sobre-vida no comando de sua seleção. O fato é que Brasil e Argentina, sendo válido por alguma competição ou amistoso, nunca poderá ser considerado “apenas um jogo”. Para quem gosta de futebol, é “o” jogo. O maior clássico mundial, em um momento em que o Brasil apresenta seu melhor futebol, vindo da conquista da Copa das Confederações e onde a Argentina precisa vencer de qualquer maneira. Por isso não perca, caro torcedor brasileiro: Brasil x Argentina, sábado, dia 5 de setembro, às 21:30h (horário de Brasília). Será com toda certeza uma batalha!

Publique seu comentário