Brasil campeão da Copa das Confederações – Brasil 3 x 2 EUA

28 de junho de 2009

Brasil 3×2 EUA. O Brasil é campeão da Copa da Confederações. Tri-campeão na verdade! Vencemos os Estados Unidos de virada em um jogo emocionante, onde o Brasil saiu perdendo por 2 a 0 e teve forças para buscar o resultado. Com dois gols de Luís Fabiano e um de Lúcio, a seleção de Dunga levantou mais uma taça na sua preparação ruma ao hexa na Copa do Mundo 2010. O destaque do jogo foi a garra e empenho brasileiro. Mesmo perdendo por 2 a 0, os jogadores do Brasil não desistiram e lutaram muito até conseguirem empatar e virar o jogo com um gol aos 39 do segundo tempo.

Ainda levamos o troféu fairplay, a chuteira de ouro pelo artilheiro da competição – Luís Fabiano com 5 gols – e o troféu de melhor jogador da Copa das Confederações para Kaká.

Já no âmbito geral da competição, pudemos ver um Brasil mais veloz com a entrada de Ramires no meio, um tantinho mais de entrosamento e um lado esquerdo incipiente – quem diria que teríamos problemas na esquerda, depois de sofrer anos com a direita. Mas o que ainda preocupa é a incapacidade da Seleção Brasileira de furar retrancas bem armadas. Sofremos muito contra a África do Sul de Joel Santana. O técnico soube explorar as deficiências de Dunga e quase surprendeu. Dunga precisa urgentente armar mais padrões de jogo para o Brasil, que joga sempre no mesmo esqueminha. Sim, Ramires já deu uma boa opção no quesito velocidade, mas contra seleções retranqueiras – e não são poucas – é preciso ousar mais. Talvez tirar um volante de marcação (Felipe Melo ou Gilberto Silva) e colocar um mais ofensivo, que tenha pelo menos noção de saída de jogo. O Brasil não conseguia sair com velocidade contra a África do Sul, o que matou a movimentação do ataque. Anderson (quando estiver em condições), Felipe Melo, Kaká e Ramires seria muito sonho? Ou até algo mais ousado, com Diego no lugar de Anderson, recuando um pouco o Ramires, que é até melhor vindo de trás como segundo volante. Mas achamos pouco provável que Dunga, um cabeça de área clássico, tenha ideias tão ousadas. Ainda mais depois de colocar de volta Elano aos 20 do segundo tempo e ele cobrar o escanteio da virada.

Todos queriam ver uma final contra a Espanha, mas os primeiros colocados no ranking da FIFA deram vexame e só conseguiram abocanhar o terceiro lugar, mesmo assim de forma suada. Espanha 3×2 África do Sul foi um jogo emocionante, com a África do sul abrindo o placar aos 28 do segundo tempo, tomando uma virada entre 42 e 44 minutos e empatando aos 48. No segundo tempo da prorrogação, Xabi Alonso bateu falta e fez o gol derradeiro da conquista. Assim, o jeito foi mesmo encarar os EUA na final da Copa das Confederações.

A final Brasil e EUA

O Brasil já havia vencido de maneira fácil os EUA na primeira fase da Copa das Confederações, mas hoje prometia ser diferente. Como já falamos aqui, os jogos contra a equipe americana sempre foram difíceis e aquele resultado de 3×0 foi atípico. Os gols que o Brasil fez logo no começo da partida – aos 20 minutos já vencíamos por 2×0 – desmontaram o esquema dos EUA, que acabaram tendo que sair desornedamente e tomaram um passeio brasileiro.

Mas hoje de fato foi diferente. O Brasil até começou o jogo bem, partindo pra cima dos EUA, sem aquele excesso de zelo e respeito que tivemos contra a África do Sul. Só dava Brasil quando aos 9 minutos, veio o golpe. NO primeiro ataque americano, Spector lançou uma bola despretensiosa para a área. A zaga brasileira cochilou e Dempsey desviou levemente. Júlio César ainda pulou nela, mas a bola entrou no cantinho. EUA 1 a 0 Brasil.

Americanos comemoram o primeiro gol

Americanos comemoram o primeiro gol


Os EUA recuaram ainda mais o time e o Brasil insistia em bolas aéras. BAtia no muro americano e voltava. Só aos 24 deu sinais de melhora. Felipe Melo arriscou bom chuta para a defesa do goleiro dos EUA e logo depois Kaká meteu linda bola de calcanhar para o chute cruzado de Maicon, que X também defendeu. Animado, o Brasil se lançou todo ao ataque, se descuidando da defesa. Acabou provando do prórpio veneno. Maicon errou passe na entrada da área americana e o contra-ataque foi mortal. Em rápida troca de passes, Donovan ficou no mano a mano contra a Ramires. Depois de aplicar um belo corte no jogador brasileiro, o americano bateu sem chances no contra-pé de Júlio César. EUA 2×0 Brasil. Estava ficando difícil.
Brasil prova de seu prórpio veneno: Donovan comemora o gol depois de belo contra-ataque

Brasil prova de seu prórpio veneno: Donovan comemora o gol depois de belo contra-ataque


Brasil em cima, EUA chutam duas bolas, fazem dois gols. Isso desnorteia qualquer time e quando falamos de Brasil, tem um agravante: a incapacidade de furar retrancas bem armadas. Mas o time não desisistiu e continuou tentando. O Brasil voltou a ameaçar a meta americana aos 33 e 34 minutos. Em boa jogada pela lateral esquerda entre Robinho e André Santos, o lateral concluiu para mais uma boa defesa de Howard. No escanteio, Luís Fabiano cabeçeou por cima do gol. OS jogadores brasileiros continuaram martelando, mas insistiam em improdutivas bolas alçadas na área. Conseguiria Dunga fazer o que nunca conseguiu? Armar uma maneira de furar uma retranca? Era a hora do Brasil superar a sua maior deficiência.

Rola a bola para o segundo tempo e o Brasil faz um gol aos 45 segundos! Nem o mais otimista poderia imaginar isso. Maicon acionou Luís Fabiano, que recebeu de costas na entrada da área. Mesmo marcado por Demerit deu uma bela virada, acertando o canto do goleiro americano. Era tudo o que o Brasil precisava para melhorar suas chances na partida. Os americanos ficariam assustados, pois agora a vantagem caía apenas para um gol e os jogadores brasileiros gahmariam uma nova injeção e ânimo! Era a hora de aproveitar o golpe sentido pelos americanos e partir pra cima.

O Fabuloso comemora o primeiro gol com o banco

O Fabuloso comemora o primeiro gol com o banco


E só dava Brasil. Escanteio aos 13 minutos, Lúcio vai pra área e acerta boa cabeçada para a excelente defesa de Howard. Aos 15, cruzamento de André Santos, Kaká cabeceia e Howard defende de novo, só que a bola já estava dentro do gol. Os jogadores brasileiros reclamaram mas o juiz não deu o gol, mandou o jogo seguir. Continuava Brasil 1×2 EUA.

O Brasil subia todo e dava espaços. Aos 19 Donovan avançou sem marcação e chutou, Júlio César espalmou para a lateral. Logo depois, aos 20 minutos, Dempsey recebeu na entrada da área, tirou Luisão da jogada e bateu de pé esquerdo para outra defesa de Júlio César. Os EUA chutaram em dois minutos o que haviam chutado no primeiro tempo inteiro. Dunga resolveu mexer. Tirou Ramires e André Santos para as entradas de Elano e Daniel Alves e aos 25 o Brasil ameaçou. Luís Fabiano recebeu bom passe de Lúcio e tentou tocar na saída de Howard, mas o bom goleiro americano levou a melhor e fez a defesa. O tempo passava cada vez mais rápido e a Seleção Brasileira precisava de um gol para empatar e pelo menos levar para a prorrogação.

E o gol veio aos 28 minutos! Kaká fez bela jogada pela esquerda e cruzou da linha de fundo. Robinho concluiu de primeira no travessão e no rebote, Luís Fabiano fez o segundo gol do Brasil! O Fabuloso meteu a cabeça e empurrou para o fundo do barbante, fazendo seu segundo gol na partida e deixando tudo igual na decisão da Copa das Confederações. Agora era na base do coração!

Luís Fabiano cabeceia para gol de empate

Luís Fabiano cabeceia para gol de empate


E falando em coração, o maior símbolo de raça brasileiro apareceu no momento decisivo. Aos 39 minutos do segundo tempo, Elano cobrou escanteio e Lúcio subiu mais alto que a zaga americana para fazer de cabeça o gol da virada brasileira! Brasil 3×2 EUA!
O capitão Lúcio fez o gol da virada, simbolizando o que foi o jogo: vitória da vontade e da raça!

O capitão Lúcio fez o gol da virada, simbolizando o que foi o jogo: vitória da vontade e da raça!


Depois da virada espetacular, o Brasil conseguiu controlar o tempo restante e não permitiu uma reação dos abatidos americanos. O juiz apitou o final da partida eletrizante e o Brasil levantou pela terceira vez a taça da Copa das Confederações. O capitão Lúcio, símbolo da raça brasileira no jogo, levantou mais uma taça para nossa vitoriosa seleção! Agora queremos o mesmo na Copa 2010.
Lúcio, contestado no Bayern, levanta a taça da Copa das Confederações

Lúcio levanta a taça da Copa das Confederações


Os EUA não tem um futebol brilhante, muito menos talentos individuais. Donovan, um bom jogador, é o craque do time. Mas eles possuem aplicação tática e cresceram dentro da competição, ganhando uma confiança extra. Desde a estreia, onde perderam de 3 a 1 para a Itália, passando pela derrota acachapante de 3 a 0 para o próprio Brasil, os EUA tiveram a competência de melhorar, e muito. Se classificaram de forma incrível depois de vencer o Egito por 3 a 0, contando com uma ajudinha da Seleção Brasileira que venceu a Itália por 3 a 0 também. Fizeram a semi-final contra a Espanha, favoritíssima. Venceram por 2 a 0, acabando com uma invencibilidade de 3 anos e 35 jogos da Fúria. O Brasil, portanto, enfrentou um adversário valoroso, que só fez engrandecer ainda mais a vitória brasileira. Um jogo duro, onde o Brasil levou dois gols mas teve forças para mostrar porque é a melhor seleção do mundo. Virou a partida na base da raça e emoção, conquistando o título da Copa das Confederações 2009.
Lúcio desabafa e chora. Homem de confiança do técnico Dunga, deve sair do Bayern depois de uma temporada ruim

Lúcio desabafa e chora. Homem de confiança do técnico Dunga, deve sair do Bayern depois de uma temporada ruim


O Brasil entrava em campo nessa final como favorito, claro. Mas, como falamos aqui antes, esse favoritismo trazia uma enorme pressão e responsabilidade. Era obrigação brasileira vencer. Mas parece que os deuses do futebol estão simpatizando com os EUA no momento. Foram duas finalizações, dois gols. A mesma história que aconteceu contra a Espanha. Não vamo tirar o mérito dos americanos, que embora não tenham tanta técnica, esbanjam aplicação e vontade. Os EUA foram o time que mais correu em campo nessa Copa das Confederações, e os resultados que colheu vieram coroar esses esforço dos jogadores. Palmas para um time raçudo que promete dar muito trabalho na Copa do Mundo 2010. Já Dunga, que se preocupa tanto com lições de moral, devia se procupar mais em treinar alternativas de jogo para a Seleção Brasileira. Ainda não temos um esquema de jogo para furar retrancas. Empates contra times inexpressivos já mostravam essa insuficiência há tempos – vide os 0x0 contra Colômbia e Bolívia em casa. O Brasil ganhou hoje muito mais por causa da raça dos jogadores – o que é ótimo, claro – do que pelo dedo do técnico. A única competência do treinador brasileiro foi convocar uma seleção com jogadores que prometem dar o sangue. Mas falta trabalho para termos um time mais consistente e que possa mostrar todo seu potencial e força na Copa do mundo 2010. Afinal, o que mais queremos é ver o Brasil hexa!

GOLS DE BRASIL 3 X 2 EUA

FICHA TÉCNICA DE BRASIL E ESTADOS UNIDOS
Estádio: Ellis Park, Johanesburgo (África do Sul)
Data/hora: 28/6/2009 – 15h30 (de Brasília)
Árbitro: Martin Hansson(SUE)
Cartões amarelos: Felipe Melo, André Santos e Lúcio (BRA); Bocanegra (EUA).
GOLS: Dempsey, 10’/1ºT (1-0), Donovan, 27’/1ºT (2-0); Luis Fabiano, 1’/2ºT (2-1), 29’/2ºT (2-2), Lúcio, 39’/2ºT (3-2).
BRASIL: Julio Cesar, Maicon, Lúcio, Luisão e André Santos (Daniel Alves, 21’/2ºT); Gilberto Silva, Felipe Melo, Ramires (Elano, 22’/2ºT) e Kaká; Robinho e Luis Fabiano. Técnico: Dunga.
ESTADOS UNIDOS : Howard, Spector, Onyewu, Bocanegra e DeMerit; Clark, Feilhaber (Kljestan 30’/2ºT), Dempsey e Donovan; Altidore (Bornstein, 30’/2ºT) e Davies. Técnico: Bob Bradley.

1 Comentário

Publique seu comentário

  1. larissa
    set 10 at 00:58

    eu fale que o brasil é gainha de 4 a 2

Publique seu comentário