Alexandre Pato e Kaká – Patomania e Kakamania

1 de abril de 2009

É hoje o dia! Vai começar Brasil e Peru. O Brasil joga todas as suas fichas numa reabilitação contra o Peru, em uma partida que promete ser tensa. A torcida quer ver é gol, bola na rede, certo? Em maior parte, sim, mas existe um outro tipo de torcedor que é mais tiete do que qualquer outra coisa. E dois craques da Seleção Brasileira são os maiores alvos da tietagem das fãs (e de muito marmanjo também) – . Tanto é que eles conseguiram a façanha de cunhar dois fenômenos pop, a Patomania e a Kakamania.

A tal Patomania andava dormente em solo gaúcho, depois do frenesi que Pato causaou quando deixou o Inter aos 17 anos de idade para jogar no Milan. Na despedida, centenas de fãs se descabelaram com o adeus ao guri, que foi campeão do Mundo pelo colorado. Mas bastou o Brasil desembarcar para o furor dos torcedores reacender a Patomania com força total. A algazarra em frente ao hotel da seleção foi grande e teve até pedido de casamento. A torcedora do Inter Francine Simões de Oliveira, 15 anos, levou um cartaz com o pedido. Depois de muita gritaria, a assessoria de imprensa da CBF deixou que Pato se confraternizasse com os fãs. Deu um beijo e um abraço em Fabíola mas disse: “Como todos sabem, estou muito feliz com a Stefhany (sua namorada Stefhany Brito, atriz da Globo), mas me deixa muito contente ver o jeito como as pessoas me tratam aqui em Porto Alegre. E a Stefhany não fica com ciúmes, não. Ela entende que é assim mesmo”.


Patomania contaminou novamente os colorados

Patomania contaminou novamente os colorados

Se Alexandre Pato é o jogador da seleção mais assediado pelos gaúchos (com ênfase nas gaúchas), Kaká não fica muito atrás. O craque tem uma verdadeira legião de fãs, maior com certeza do que a de Pato: “É mas aqui no sul não tem pra ninguém”, brinca Pato. Por onde passa, o furacão Kaká arranca lágrimas e suspiros das torcedoras animadinhas, em qualquer lugar do Brasil: “Essa história de Patomania veio depois da Kakamania, ele ainda tem muito que aprender”, desconta Kaká em clima de pura descontração. Mas quando perguntado sobre a partida contra o Peru, o jogador assume um tom sério: “O Brasil sempre tem a obrigação de vencer em casa e, na medida do possível, dando espetáculo. Sabemos que teremos dificuldades contra o Peru. É uma seleção que está em último na classificação e, por isso, vai fazer o possível para dificultar contra nós”.

Brasil e Peru se enfrentam daqui a pouquinho, às 21:50 no Esstádio do Beira Rio, em Porto Alegre. Infelizmente para a torcida colorada, Pato começa no banco, mas vai ser difícil Dunga resistir a pressão e não colocar o craque no segundo tempo. O treinador também estará em casa, então é bom não desapontar os torcedores. Em todos os sentidos.

Publique seu comentário