Brasil encerra Eliminatórias com vexame

14 de outubro de 2009

Dunga tropeçou mais uma vez contra a Venezuela. Só lembrando, Dunga fo o único técnico da Seleção Brasileira que conseguiu a façanha de perder para a Venezuela. O Brasil nunca havia perdido, sequer empatado com os venezuelanos e Dunga conseguiu tomar de 2 a 0. Agora, conseguiu mais uma façanha empatando em casa com a poderosa seleção venezuelana. Sim, já elogiamos o trabalho que o treinador tem realizado à frente da Seleção. Os números não mentem, tem sido um trabalho vitorioso. Oras, nós mesmos já tínhamos dado o braço a torcer e embarcado nessa onda de euforia verde e amarela. Já nos achávamos mais uma vez franco-favoritos para erguer a Copa do Mundo 2010. Mas aí a Venezuela veio nos lembrar do calcanhar de Aquiles da Seleção de Dunga: o Brasil é incompetente contra seleções patéticas que caem na retranca.

O Brasil já havia empatado em casa contra a Colômbia e Bolívia. Contra a Colômbia, talvez até a gente releve, mas contra a Bolívia já foi inadmissível. E o que dizer agora? O palco para a festa estava armado no estádio Morenão, em Campo Grande. Mas o que se viu foi um jogo tecnicamente fraco, com os jogadores brasileiros começando em marcha lenta e progressivamente se irritando à medida que o gol não saía. A grande novidade foi a escalação do “enigma” Filipe Luis como titular na lateral esquerda. Finalmente o jogador mais misterioso das convocações do Dunga pôde ser observado de perto e provou que não merece lugar nem no banco de reservas dos gandulas. Lucas também foi surpresa escalado ao lado de Gilberto Silva na contenção do meio-campo, mas não rendeu o esperado de um jogador que luta por uma vaga. Adriano, como era esperado, nem no banco estava. Daniel Alves e Josué receberam o terceiro cartão amarelo e também ficaram de fora da partida.

Até Kaká se irritou. Depois dessa arrancada o camisa 10 sofreu falta e revidou com tapa na cara. O juiz fez vista grossa.

Até Kaká se irritou. Depois dessa arrancada o camisa 10 sofreu falta e revidou com tapa na cara. O juiz fez vista grossa.


O primeiro tempo de Brasil e Venezuela foi pra lá de morno. O Brasil estava devagar e quase não agrediu os venezuelanos, que obviamente vieram para se defender. A tarefa foi bem facilitada pela falta de velocidade brasileira. Como sempre Kaká foi o melhor em campo, participando dos poucos lances de perigo da Seleção. Luís Fabiano teve algumas chances depois dos 30 minutos de jogo. A melhor foi a finalização do Fabuloso após uma rolada de Kaká em falta perto da área. Em um lance polêmico, Luís Fabiano driblou o goleiro da Venezuela e caiu. Não deu pra saber ao certo se ele se jogou ou se foi tocado pelo arqueiro. Fim da primeira etapa.

O Brasil voltou para o segundo tempo dando mostras de que queria jogo. Logo aos 2 minutos Nilmar arriscou, mas chutou no meio do gol para a defesa tranquila de Renny Vega. Mas aos 11 a irritação começou a aparecer. Miranda foi expulso infantilmente após dar uma cotovelada em Maldonado. Dunga não mexeu e recompôs a defesa puxando Gilberto Silva para a zaga. Fez bem, mas deveria ter mexido no meio ofensivamente. Não fez nenhuma alteração até os 30 minutos e assistiu enquanto o Brasil criava parcas oportunidades e a melhor chance foi uma cabeçada na trave de Gilberto Silva após escanteio. Dunga enfim tirou o medonho Filpe Luis e colocou o igualmente improdutivo Alex (cadê o Diego da Juventus?). Logo depois tirou Luís Fabiano e colocou Diego Tardelli numa alteração discutível. Luís Fabiano lutava para garantir a artilharia da competição e era o jogador que mais levava perigo. O atacante perdeu pelo menos três boas chances diante de Vega sendo a melhor delas aos 20 minutos, quando recebeu na área mas chutou em cima do goleiro. chileno Suazo marcou o gol da vitória do Chile sobre o Equador e acabou ultrapassando o Fabuloso na artilharia. Dunga não gosta mesmo de gol.

Não adianta chorar, Fabuloso. Suaso ficou com a artilharia.

Não adianta chorar, Fabuloso. Suaso ficou com a artilharia.


Elano ainda entrou no lugar de Ramires, mas pouco acrescentou. A melhor chance saiu dos pés de Kaká. Já nos acréscimos o camisa 10 driblou seu marcador e colocou com extrema categoria no canto do goleiro. A bola bateu caprichosamente na trave, correu perto da linha do gol e saiu. Merecia o gol. Mas não era noite e a partida encerrou com o melancólico 0 a 0. Agora só faltam 3 amistosos do Brasil antes da Copa do Mundo 2010. O primeiro já está marcado, será Brasil e Inglaterra, 14 de novembro no Qatar. Os outros dois amistosos da Seleção Brasileira ainda não têm data nem adversários definidos, mas fica uma dica para Dunga: que tal marcar contra a Bolívia e Venezuela? Parecem ser os adversários mais difíceis para o Brasil atualmente.

Só para finalizar, a Argentina acabou conseguindo ficar com a última vaga de forma heróica. Jogando contra o Uruguai em Montevidéu, os argentinos venceram por 1 a 0 e estão classificados para a Copa 2010. O Uruguai terá que disputar a repescagem contra Costa Rica ou Honduras.

FICHA TÉCNICA:
BRASIL 0 X 0 VENEZUELA

Estádio: Morenão, Campo Grande (MS)
Data/hora: 14/10/2009 – 19h (de Brasília)
Árbitro: Víctor Carrillo (PER)
Auxiliares: César Escano (PER) e Luis Abaddie (PER)
Renda/público: R$ 2.562.925,00 / 23.746 pagantes

Cartões amarelos: Luis Fabiano, Luisão (BRA); Chacón, Vicarrondo, Di Giorgi, Seijas (VEN).
Cartões vermelhos: Miranda, 10’/2ºT (BRA).

GOLS: Não houve.

BRASIL: Julio Cesar, Maicon, Luisão, Miranda e Filipe Luís (Alex, 30’/2ºT); Gilberto Silva, Lucas, Ramires (Elano, 32’/2ºT) e Kaká; Nilmar e Luis Fabiano (Diego Tardelli, 37’/2ºT). Técnico: Dunga.

VENEZUELA: Vega, Chacón, Rey, Vizcarrondo e Granados; Di Giorgi, Lucena, Rincón (Seijas, 23’/2ºT) e Arango (Fedor, 38’/2ºT); Maldonado e Moreno (Rondón, 29’/2ºT). Técnico: César Farías.

Publique seu comentário