Brasil 3×0 Zimbábue

2 de junho de 2010

Escalação da Seleção Brasileira para a estreia na Copa 2010 contra a Coréia do Norte:

1 – Júlio César
2 – Maicon
3 – Lúcio
4 – Juan
6 – Michel Batos
5 – Felipe Melo
7 – Elano
8 – Gilberto Silva
10 – Kaká
11 – Robinho
9 – Luís Fabiano

Esse é o time titular de Dunga, que só muda caso alguma contusão aconteça.

Para Brasil x Zimbabue, o Brasil entrou apenas com uma alteração, Thiago Silva no lugar de Juan. Segundo a comissão técnica, Juan foi poupado por causa dos vários problemas musculares que aconteceram durante a temporada, mas ele não está contundido e deve participar da estreia na Copa.

O resto do time titular do Brasil foi para o campo enfrentar a inexpressiva seleção do Zimbabue. O primeiro inimigo brasileiro no jogo foi a falta de ritmo visível dos jogadores brasileiros. O segundo adversário, perigoso, foi o gramado de péssima qualidade, convidativo a contusões.

Muitos acreditavam em goleada fácil, mas o primeiro tempo logo enterrou essa crença. Na verdade, quem perdeu gols feitos foi o Zimbábue. A primeira chance dos africanos foi aos 19 minutos. Depois do Thiago Silva se enrolar com Antipas, a bola sobrou para Karuru, livre de marcação. Era ele e o gol escancarado, quase na pequena área. Os quase 13 milhões de habitantes do Zimbabue prenderam a respiração, mas a bola quicou antes do chute e karuru mandou por cima do gol de Júlio César. Na jogada, Júlio César se machucou e foi substituído por Gomes. O goleiro brasileiro saiu reclamando de uma pancada no tórax.

Susto para o Brasil, que continuou em ritmo lento, quase parando e sem ameaçar a meta adversária. Aos 26, Gomes toma uma bola na trave, mas o árbitro já tinha parado a jogada. Aos 27, levantamento na área brasileira e Knowledge cabeceia firme para uma grande defesa de Gomes.

Kaká fora de ritmo contra o Zimbabue

Kaká jogou só o primeiro tempo. Ainda está muito fora de ritmo de jogo (foto: AFP).

Mais uma vez o Brasil encontra dificuldades com uma retranca mínima. O Zimbabue, que não tem nenhuma tradição futebolística, encontra-se muito atrás de outras seleções africanas de maior expressão, como Camarões, Nigéria ou Costa do Marfim. A partida pode ser considerada um treino? Sim, claro. Mas qual é o objetivo de treinar contra o Zimbábue? Outras seleções fazem jogos mais preparatórios, o Brasil poderia jogar contra a Tunísia, por exemplo, como fez a França. Ou Camarões, como fez Portugal. Imaginem um empate contra o Zimbabue?

Mas para sorte de Dunga e seus comandados, o gol brasileiro saiu. E saiu de uma jogada de bola parada. Em cobrança de falta, Michel Bastos encheu o pé e abriu o placar para o Brasil.

Logo depois, Robinho recebeu um belo passe do Maicon e só tocou na saída do goleiro Sibanda. O Brasil, mesmo sem jogar absolutamente nada, faz 2 x 0 em 2 minutos, aliviando a preemente pressão.

Fim de primeiro tempo, placar confortável, jogo nem tanto. O Brasil não foi nem de longe superior ao Zimbabue, o que é preocupante. Em um jogo como esse, a Seleção deveria mandar na partida, controlar as ações e jamais ser ameaçado. Não foi o que ocorreu, a seleção do Zimbabue foi melhor em campo e criou as melhores chances de gol, e podia ter aberto o placarl. Acabou levando o primeiro gol de bola parada e desmontou, levando o segundo logo em seguida, mostrando visível abatimento.

Com dois gols no placar, o segundo tempo prometia trazer o esperado “show” brasileiro, já que o Zimbabue deveria se lançar ao ataque abrindo os espaços que o time de Dunga tanto gosta. O Brasil voltou para a segunda etapa com três modificações. Entraram Daniel Alves, Júlio Batista e Luisão, saindo Maicon, Kaká e Lúcio. Mas o esperado show não veio.

Gols de Brasil 3×0 Zimbabue

As alterações garantiram mais movimentação ao Brasil, e Daniel Alves iniciou a jogada do terceiro gol aos 11 minutos. Ele tocou para Julio Batista que devolveu de calcanhar dentro da área, Daniel Alves só empurrou para Elano tocar para o gol sem goleiro. Mas ficou só nisso.

Aos 15 Dunga tira Luís Fabiano e coloca Grafite. O Fabuloso sai sem deixar o dele. Aos 19 foi a vez de Robinho deixar o gramado para a entrada de Nilmar. Daí em diante, o time tocou bola, criou parcas chances e se deu por satisfeito com o placar.

Uma coisa ainda preocupa. O Brasil não consegue jogar bem contra retrancas fortes, e pior, Dunga não tem um plano B de jogo, nem banco para alterar seu esquema tático. Depois de um gol de bola parada é que o jogo ficou à feição. Quando o adversário parte para cima, aí sim o time brilha, com contra-ataques rápidos e espaço para toque de bola envolvente. Mas quem acha que os adversários vão partir para cima do Brasil na Copa? Pode esperar resultados apertados, muito sofrimento e um estilo de jogo cada vez mais parecido com o Brasil de 94.

FICHA TÉCNICA de Brasil  3×0 Zimbábue

Estádio: National Stadium, Harare (ZIM)
Data/hora: 2/6/2010 – 10h30 (de Brasília)
Árbitro: Abdul Basit Ebrahim (AFS)
Auxiliares: Somi Luianda (AFS) e Rezeers Andrew (AFS)
Cartões amarelos: Não houve.
Cartões vermelhos: Não houve.
GOLS: Michel Bastos, 41’/1ºT (0-2); Robinho, 43’/1ºT (0-2); Elano, 10’/2ºT (0-3)

ZIMBÁBUE: Sibanda, Mapemba, Jambo, Mwanjali, Makonese (Suesve, 41’/2ºT); Nengomasha, Ashely Rambanepasi (Alumenda, 21’/2ºT), Quincy Antipas (Mushekwi, 23’/2ºT), Benjani (Nkata, 8’/2ºT); Knowledge e Ovidy Karuru (Nyoni, 8’/2ºT). Técnico: Norman Mapeza.

BRASIL: Julio Cesar (Gomes, 25’/1ºT), Maicon (Daniel Alves, intervalo), Lúcio (Luisão, intervalo), Thiago Silva, Michel Bastos; Gilberto Silva, Felipe Melo, Elano, Kaká (Júlio Baptista, intervalo); Robinho (Nilmar, 19’/2ºT) e Luis Fabiano (Grafite, 14’/2ºT). Técnico: Dunga.

1 Comentário

Publique seu comentário

  1. VraGonBR
    jun 02 at 14:56

    Nem sabia q brasil tava jogando..
    mais ganhou..
    ta baum dmais!

Publique seu comentário