Espanha 1×0 Alemanha – o polvo-profeta já sabia

7 de julho de 2010

Quando Espanha x Alemanha entraram em campo para decidir quem iria para a final contra a Holanda uma coisa era certa: todos sabiam que seria um jogão. A Alemanha credenciada como melhor seleção da Copa 2010, a Espanha ainda uma das favoritas para conquistar o título. Mas apostar em um vencedor para o embate era praticamente impossível. Só mesmo na sorte, na torcida. Qualquer um dos dois poderia vencer.

Seria o caso então de perguntar qual seria o palpite de outro personagem da Copa 2010, o polvo-profeta alemão. Para quem ainda não conhece mais essa, o polvo-profeta vive em um parque aquático na Alemanha, o Sea Life na cidade de Oberhausen. O polvo tem até nome: Paul. Funcionários do parque começaram uma brincadeira na estreia da Alemanha na Copa 2010. Colocaram dois recipientes dentro do aquário com comida e as bandeiras dos times e esperaram Paul escolher de onde queria comer. Escolheu a Alemanha e não deu outra, Alemanha 4×0 Austrália. Alguns disseram que era armação, mas logo na partida seguinte o polvo escolheu a Sérvia ao invés da Alemanha. A Sérvia venceu por 1×0 e o polvo ganhou status de profeta.

Polvo-Profeta alemão advinha os resultados

O polvo-profeta já sabial


Ele acertou os outros jogos, contra Gana, Inglaterra e Argentina. Mas agora o danado do polvo-profeta tinha apostado na Espanha e muito alemão chorou de véspera. Mas brincadeiras à parte – afinal, o que seria do futebol sem seu folclore? – todos sabem que é no campo que se ganha o jogo e a Espanha foi superior e mereceu a vaga na final, confirmando afinal seu favoristismo. Para a Alemanha, resta o consolo de ter um time renovado, com muitos jogadores que podem ir à Copa de 2014. E ainda disputarão o terceiro lugar contra o Uruguai no sábado.

A Alemanha já saiu em desvantagem, um de seus destaques na Copa não jogou. Müller levou o segundo amarelo contra a Argentina e desfalcou o time. A Espanha não tinha desfalques, mas a imprensa espanhola tem considerado Fernando Torres um peso morto. O atacante, que chegou como um dos favoritos à artilharia do mundial, não havia marcado um gol sequer e seguia jogando muito abaixo da sua melhor forma. Se não fosse por David Villa, a Espanha estaria em sérios apuros para chegar até a semi-final.

O técnico espanhol, Vicente Del Bosque, deixou o craque do Liverpool no banco e escalou o garoto Pedro contra a Alemanha. Escolha acertada, Pedro jogou bem e deu muito mais movimentação para o ataque espanhol. A Espanha dominou as ações da partida e teve uma posse de bola bem superior a da Alemanha. Os alemães sofreram com a falta de Müller e Trochowski, que o substituiu, não fez uma boa apresentação. No comecinho do segundo tempo Joachim Löw colocou Kroos em seu lugar e o time encontrou mais saídas pela direita.

A Espanha fez o gol da classificação aos 27 minutos do segundo tempo com Puyol. Ironicamente, a bola saiu de um escanteio e o zagueiro de estatura mediana completou de cabeça surpreendendo a alta zaga alemã. A Alemanha se lançou toda ao ataque, de maneira desordenada, na base da raça e a Espanha perdeu inúmeras chances de definir o jogo em contra-ataques. No final, o placar foi mesmo Espanha 1×0 Alemanha.

Puyol faz o gol da classificação

Os jogadores espanhóis comemoram com Puyol o gol da classificação


Agora sábado teremos a disputa do terceiro lugar entre Alemanha x Uruguai como aperitivo da grande final da Copa 2010, Holanda x Espanha. É o time de melhor campanha, a Holanda 100% contra a grande favorita Espanha. Uma final européia na primeira Copa do Mundo disputada na África, aonde um campeão inédito levantará a taça.

Ficha Técnica Espanha 1×0 Alemanha

Estádio: Moses Mabhida, em Durban (AFS).
Data/hora: 6/7/2010, às 15h30 (de Brasília).
Árbitro: Viktor Kassai (HUN).
Auxiliares: Gabor Eros (HUN) e Tibor Vamos (HUN).
Público:
Cartões amarelos: Nenhum.
Cartões vermelhos: Nenhum.
Gol: Puyol, 27’/2ºT

ALEMANHA: Neuer, Lahm, Mertesacker, Friedrich e Boateng (Jansen, 6’/2ºT); Khedira (Mario Gómez, 35’/2ºT), Schweinsteiger, Trochowski (Kroos, 16’/2ºT), Özil e Podolski; Klose.
Técnico: Joachim Löw.

ESPANHA: Casillas, Sergio Ramos, Puyol, Piqué e Capdevila; Busquets, Xabi Alonso (Marchena, 47’/2ºT), Xavi, Iniesta; Pedro (Silva, 40’/2ºT) e David Villa (Fernando Torres, 35’/2ºT).
Técnico: Vicente del Bosque.

2 Comentários

Publique seu comentário

  1. Motorcycle guy
    ago 20 at 02:24

    Where did you learn about this? Can you give me the reference?

  2. Laís Cristina
    jun 13 at 13:05

    todo mundo sabe q o jogo estava comprado, isso sim

Publique seu comentário